Blog

  • Home

Para a maioria das pessoas trabalho e viagem são experiências distintas. Você trabalha sem pausas durante um ou dois anos, economiza algum dinheiro e viaja de férias. Depois, volta para casa e um novo ciclo de trabalho sem pausas se inicia até você tirar férias novamente.

Não há nada de errado em se viver assim, porém, desde que o trabalho remoto se tornou uma opção viável em algumas profissões, trabalho e viagem se tornaram uma experiência integrada para um grupo de profissionais conhecidos como nômades digitais. Eu faço parte desse grupo há pouco mais de dois anos.

Comecei minha jornada nômade oferecendo serviços como redator freelancer. Logo depois vieram os cursos online e, conforme minha audiência foi crescendo, passei a produzir conteúdos para grandes marcas no papel de influenciador. Além disso, meu primeiro livro (falaremos sobre ele mais adiante) acaba de ser lançado. Ou seja, tenho mais de uma fonte de renda –– o que me demanda algumas boas horas de trabalho.

Depois de um longo período de esgotamento físico e mental trabalhando como CLT, hoje consigo equilibrar perfeitamente minha vida pessoal e profissional. Nos últimos dois anos tive experiências incríveis em quase vinte países. Alimentei elefantes na Tailândia, fiz uma trilha de 10 horas na Patagônia, curti o verão europeu em praias paradisíacas da Itália e até morei num barco em Portugal.

Essas experiências, no entanto, foram realizadas durante o meu tempo livre –– exceto pelo barco (e isso foi um erro). Nômades digitais, infelizmente, não são turistas em tempo integral. A gente trabalha. Pra caramba. Agora, por exemplo, está um sol de rachar aqui em Budva, Montenegro, mas em vez de ir para a praia estou escrevendo esse texto. Isto é, a grande diferença é que durante nosso tempo livre podemos conhecer novas culturas, lugares e pessoas de diferentes nacionalidades.

Em linhas gerais, o que muda na relação trabalho versus viagem é que, ao contrário dos profissionais que precisam bater o ponto todos os dias e esperar as férias para poder viajar, eu tenho a liberdade geográfica de desempenhar meu trabalho de qualquer lugar do mundo que tenha um bom sinal de internet. E isso me abre um mundo de possibilidades.

Algumas pessoas entendem isso –– mas outras realmente não. É por isso que escrevi um livro sobre o tema.

Não, esse tipo de foto não representa em nada o meu dia a dia

Uma dose de realidade para você que quer se tornar um nômade digital

Quando recebi o convite da editora Autêntica Business para escrever um livro sobre nomadismo digital enxerguei uma oportunidade para desmistificar algumas coisas a respeito do tema (como a foto acima, por exemplo), mas, principalmente, educar os aspirantes a nômades digitais através de um guia baseado em minhas próprias experiências e de outros nômades brasileiros.

Em Nômade Digital: um guia para você viver e trabalhar como e onde quiser, mostro o passo a passo para aqueles que estão pensando em abandonar a vida de escritório. Você não encontrará fórmulas mágicas ou receitas de bolo, mas sim uma visão honesta de quem vive isso na prática.Nômade Digital: um guia para você viver e trabalhar como e onde quiser

Desmistificando o estereótipo de “mochileiro itinerante”, revelo como se preparar para viver todos os lados desta jornada: o lado glamouroso das viagens e experiências exóticas e também o lado das dificuldades em lidar com orçamentos apertados, contratempos, trabalho remoto, além de surpresas nada agradáveis.

Para que não soasse como uma autobiografia, entrevistei outros nômades digitais de diferentes perfis. Tem nômade que viaja sozinh@, casais nômades com e sem filhos e até nômade que viaja com seus bichinhos.

Viajar o mundo não resolverá todos os seus problemas

Há um grande fetiche sobre esse negócio de viajar o mundo e trabalhar ao mesmo tempo, mas é preciso ter cuidado com projeções. Se você está infeliz no seu trabalho e pensa que só será feliz quando se tornar um nômade digital, talvez deva repensar suas reais motivações. Eu sou muito feliz fazendo o que faço e viajando o mundo, mas não quer dizer que eu não tenha meus problemas e dias ruins.


Relacionado: Precisamos conversar sobre a relação entre trabalho e saúde mental


Se você não se esforçar para entender o que te faz infeliz no trabalho, de preferência com a ajuda de um profissional, as viagens talvez só piorem as coisas. Conheço nômades digitais que entraram em depressão, por exemplo.

Viajar, por si só, não curará magicamente problemas sérios como depressão ou ansiedade. Não te fará superar o final de um relacionamento, nem te guiará para o seu propósito de vida. Não importa sua localização geográfica: se você tem um problema, lide com isso. As viagens podem até ajudar em tudo isso, mas não podem ser encaradas como solução. Não faça projeções quando o assunto é sua sanidade mental.

E, principalmente, tenha consciência de que mesmo atingindo seu objetivo de se tornar um nômade digital, aproveitando todas as vantagens que esse estilo de vida e trabalho traz, você terá seus dias ruins. A saudade da família e dos amigos, as barreiras linguísticas e até mesmo tecnológicas, como da vez em que fiquei cinco dias sem internet no meu apartamento na Sérvia na semana em que precisava entregar um projeto importante.

Ainda quer ser um nômade digital?

Bom, essa foi a dose de realidade. Uma tentativa de mostrar um pouco dos bastidores das fotos perfeitas que você vê no Instagram.

Se é isso que você realmente quer, após ter colocado todos os prós e contras na balança, vá em frente. O caminho nem sempre é fácil, mas o final vale a pena. Eu não trocaria a vida que levo hoje por outra.

E se precisar de ajuda durante o caminho, saiba que Nômade Digital: um guia para você viver e trabalhar como e onde quiser pode ser útil pra você.

Nômade digital que escreve, empreende e ensina. Eleito pelo LinkedIn como o terceiro brasileiro mais influente da rede em 2016. Cofundador do be freela. Você também pode ler meus conteúdos no HuffPost, no Transformação Digital, Comunidade Rock Content e no Medium.