Todos nós temos objetivos que queremos alcançar em nossas vidas. Aprender uma nova língua, ter uma alimentação saudável, praticar exercícios físicos, fazer um curso, poupar dinheiro, abrir um negócio, e assim por diante.

A diferença de onde estamos hoje para onde queremos estar amanhã existe graças ao conhecimento — ou a falta dele. É por isso que investimos em cursos sobre como abrir um novo negócio, por exemplo. Entendemos que com mais conhecimento teremos, necessariamente, melhores resultados.

O que percebi ao longo de vários cursos que fiz sobre variados temas é que de nada vale o aprendizado sem a prática. Na verdade, aprender algo novo pode ser um desperdício de tempo caso seu objetivo seja gerar melhores resultados imediatamente.

Tudo se resume à diferença entre aprender e praticar.

A diferença entre aprendizagem e prática

Aprender algo novo e praticar algo novo são dois métodos com resultados diferentes. Se seu objetivo é vender mais, você pode estudar sobre técnicas de vendas e aprender novas abordagens, mas só terá resultados caso coloque o seu conhecimento em prática. Se seu objetivo é escrever um livro, você pode aprender técnicas de escrita com quem já o fez, mas só terá escrito um livro se colocar o seu conhecimento em prática. Ou seja, aprendizagem passiva cria conhecimento, a prática cria habilidade.

Aprender pode ser uma muleta para não sair da zona de conforto

Em muitos casos, a aprendizagem é, na verdade, uma maneira de postergar ações relativas aos nossos supostos objetivos e interesses. Digamos que você queira aprender uma nova língua. Ler um livro sobre um método de aprender um idioma estrangeiro mais rapidamente pode lhe dar a falsa sensação de estar fazendo algum progresso. Você diz para si mesmo que está descobrindo a melhor maneira de fazer isso, quando na verdade deveria estar praticando a ação que entregaria o resultado desejado — neste caso, falar o novo idioma. A aprendizagem é valiosa até que se torne uma forma de procrastinação.

Prática é aprendizado, mas aprendizado não é prática

Aprendizagem passiva não é uma forma de prática, porque embora você tenha novos conhecimentos, não está descobrindo como aplicá-los. Prática ativa, no entanto, é uma das maiores formas de aprendizado, já que os erros durante o processo revelam informações importantes que nenhum curso irá lhe mostrar. Você pode fazer um curso sobre abrir um novo negócio ou aprender um novo idioma, mas seu conhecimento será improdutivo a menos que você realmente lance um negócio ou utilize o novo idioma para algum fim. Aprender por si só pode ser valioso, mas se o seu objetivo tem relação com melhores resultados em determinada área, você não irá alcançá-lo sem ação.

Praticar foca sua energia no processo

O estado onde você se encontra hoje é resultado dos hábitos e crenças que têm praticado a cada dia. Quando você percebe isso e começa a direcionar o seu foco para a prática de melhores hábitos no dia a dia, seu progresso será contínuo e o resultado lógico. Não são as coisas que sonhamos ou aprendemos que determinam nossos resultados, mas sim os hábitos praticados a cada dia.

Conclusão

A aprendizagem passiva é inútil? Claro que não. Em muitos casos, a aprendizagem em prol da aprendizagem pode ser uma coisa bonita. Você terá mais assuntos durante uma conversa com amigos e poderá emitir mais opiniões sobre determinados temas. O ponto principal deste artigo é que a aprendizagem por si só não leva ao progresso. Nós muitas vezes nos escondemos por trás das informações e da aprendizagem como forma de adiarmos decisões e partirmos para a ação.

“Daqui a um ano, você vai desejar ter começado hoje”. (Karen Lamb)
Pare de pensar e comece a fazer. E não esqueça que feito é melhor que perfeito.

***

PS: Muitos de vocês me adicionaram em meu perfil pessoal no Facebook. Adicionei algumas pessoas, mas as solicitações continuaram aumentando e tomei a decisão de criar uma fanpage. Isso facilita para os dois lados. Vocês não precisam ver minhas postagens pessoais e eu posso ter um controle de público. Por isso, peço que curtam minha páginaBasta clicar aqui para acessá-la.

***

Faça parte do meu grupo fechado de dicas por e-mail clicando aqui. É grátis!

28 anos, catarinense, escritor, empreendedor, growth hacker, guitarrista frustrado, marido da Laís. Eleito pelo LinkedIn como o terceiro brasileiro mais influente da rede em 2016.