Já vi várias pessoas que tenho como fonte de inspiração recomendarem este livro. O li ano passado e, sem exageros, posso dizer que ele mudou minha vida.

Pelo título, imaginava que seria algo do tipo “fórmula mágica pra você ganhar muito dinheiro enquanto faz o que ama e viaja o mundo“. Confesso que tive certa relutância em lê-lo por ter julgado o livro pela capa, mas, foram tantas as indicações de pessoas que admiro que me senti obrigado a saber do que se tratava. E, ainda bem que o li!

Trabalhe 4 Horas por Semana” não é mais um livro sobre gestão do tempo. É sobre gestão da vida. É sobre como ser inteligente com o seu tempo pode te ajudar a construir uma vida que você ama — e Timothy Ferriss, o autor, é prova viva disso. Ele viaja o mundo enquanto leva sua empresa numa mochila. Tudo o que precisa é uma conexão de internet. Seu trabalho está na nuvem. Ele é um nômade digital.

Mas, do mesmo modo que me enganei com o título, não faça o mesmo. O que Timothy quer dizer com a frase “Trabalhe 4 Horas por Semana” é que, mesmo você trabalhando com o que gosta, terá que dedicar um tempo para fazer o que não gosta. Questões burocráticas, ligações para clientes, responder e-mails e outra tarefas não tão divertidas, mas que devem ser feitas para que aquilo que você ama exista.

“O ouro está ficando velho. Os Novos Ricos (NR) são aqueles que abandonam os planos de uma vida adiada e criam estilos de vida luxuosos no presente, usando uma moeda dos Novos Ricos: tempo e mobilidade. Isso é uma arte e uma ciência a que nos referiremos daqui em diante como Projeto de Vida (PV).” (Timothy Ferriss)

O conceito de riqueza abordado no livro é interessante. Recebo diariamente mensagens de pessoas que estão infelizes com seu trabalho. E o que elas querem? Liberdade, flexibilidade e tempo. Ah, e dinheiro, óbvio. Mas, principalmente tempo. Fugir do trânsito, dos ônibus lotados e, claro, passar mais tempo com os entes queridos. Em “Trabalhe 4 Horas por Semana“, Timothy Ferriss nos mostra que esse não é um sonho impossível. Obviamente, como qualquer dica, seja do Tim ou mesmo minha, o resultado final dependerá de você. É você quem terá que trabalhar duro e ter disciplina para chegar lá.

Em suma, Timothy apresenta uma abordagem de que rico é quem consegue ter um bom padrão de vida enquanto tem tempo para desfrutar de seu dinheiro. Há tempos atrás a ideia de riqueza era ter uma mansão luxuosa, um carro importado, um iate ou uma fazenda. Ter, ter, ter. Dinheiro é bom — e eu gosto muito do que ele pode nos trazer, não serei hipócrita —, mas nosso ativo mais importante é o tempo. Tempo é uma das únicas coisas que o dinheiro não pode comprar. Sem trocadilhos com a propaganda do MasterCard, por favor.

Trabalhe 4 Horas por Semana - produtividade

Essa sacada grifada acima, na minha opinião, é genial. É comum nas empresas ouvirmos algo do tipo “só no Facebook, hein?” ou “vida boa, hein?” quando somos pegos distraídos ou mesmo não fazendo nada. Há uma cultura de que estar ocupado significa que você está realmente trabalhando e sendo produtivo. Mas, e quando você termina seu trabalho em 02 horas e realmente não tem mais nada para fazer nas outras 06h30 restantes? Acredite, isso acontece. E muito. Dificilmente alguém realmente trabalha durante toda a carga horária em que passa na empresa. E, muitas vezes, a culpa não é da pessoa. Por isso a vantagem de ser um nômade digital. Você faz o seu trabalho e pronto. Não precisa perder tempo na empresa e ouvir aquelas frases do início do parágrafo. Isso é produtividade.

Este livro desafiou-me com o pensamento radical de Timothy sobre trabalho e vida, mas ele também compartilha passos práticos para que as 4 horas semanais de trabalho aconteçam. Suas dicas podem te ajudar a se concentrar no que você faz de melhor e ainda ganhar dinheiro com isso.

Se você quer mais flexibilidade, liberdade, tempo e, claro, dinheiro, “Trabalhe 4 Horas por Semana” é pra você.

27 anos, catarinense, escritor, empreendedor, growth hacker, guitarrista frustrado, marido da Laís. Eleito pelo LinkedIn como o terceiro brasileiro mais influente da rede em 2016. Sócio do Crush Design — uma das 100 startups mais inovadoras do estado de Santa Catarina.

  • Muito legal essa sua recomendação de livro, já leu “A menina do vale”? Muito legal também.

    • Opa! Valeu, Ariel! Li sim, muito bom! 🙂

      • Você tem alguma postagem sobre autores do WordPress que você mais curte? Se tiver, manda pra mim!

  • Cara, já ouvi tantos comentários bons desse livro, mas depois de ler esse teu post decidi parar de procrastinar e acabei de comprar. Obrigado! =)

  • Adorei o seu artigo e faço destaque à expressão “nômade digital”. Vale a pena adotar essa ideia. Grato, amigo Matheus de Souza, por mais esta oportunidade!!!