A diferença entre dom e talento há anos é objeto de estudos. E, assim como as pesquisas científicas que em uma semana dizem que determinado alimento é bom para a saúde, enquanto outras dizem o contrário na semana seguinte, não há um consenso sobre porque algumas pessoas, principalmente em esportes e trabalhos criativos, têm mais aptidão do que outras.

No caso da escrita, e aqui falo da minha experiência, não acredito em dom. Eu adoraria ter uma história bonita de como aos sete anos lia Dostoiévski e escrevia minhas próprias histórias, mas não é bem assim.

Conheço escritores, por outro lado, que batem com descrição acima. Seja por estímulo dos pais ou por uma curiosidade nata, crianças podem sim desenvolver habilidades que carregarão para o resto de suas vidas e carreiras.

Eu, por outro lado, li um romance pela primeira vez aos 17 anos. E obrigado. Você também, provavelmente, para o vestibular –– e talvez isso explique porque os brasileiros leem pouco; nenhum adolescente gosta de fazer algo obrigado.

O gosto pela escrita veio mais tarde ainda, aos 21 anos, enquanto escrevia meu projeto de TCC. Aos 24, após um mochilão pela Europa em que senti uma necessidade absurda de colocar para fora tudo aquilo que estava vendo e sentindo, criei meu blog. Hoje tenho 29 e desde os 27 vivo inteiramente do que a escrita me proporciona.

Dom? Talento, talvez. Mas um talento desenvolvido através de muita prática. E engana-se quem pensa que a prática do escritor é, necessariamente, escrever. Sim, nessa meia década escrevi mais de 200 artigos e estou finalizando meu primeiro livro, porém, a quantidade (e a qualidade) dos livros que li neste período foi mais importante. A formação do escritor começa com boas leituras.

14 livros que vão te ajudar a escrever melhor

escrever bem

Há pouco mais de 1 mês, eu e Murillo Leal, que acaba de lançar seu primeiro livro, decidimos criar um projeto para ajudar aspirantes à escritores a superarem suas inseguranças e transformarem suas emoções e experiências em textos criativos e autênticos.

Durante o desenvolvimento desse projeto, o programa de Mentoria de Escrita Criativa e Storytelling, separamos nossas principais referências literárias no que diz respeito ao “criar”. Ou seja, reunimos uma lista com 14 obras que, de alguma forma, podem te ajudar a ser um melhor escritor.

Os links abaixo, exceto no item 1, o redirecionarão para o site da Amazon, parceira do meu blog, que está com descontos incríveis durante a Black Friday.

1 – Mais do que importante, seja relevante para a sua audiência, Murillo Leal

O primeiro livro da lista, claro, não poderia ser outro. Meu sócio Murillo Leal acaba de lançar um e-book onde conta passo a passo como, através da escrita, gerou autoridade nas redes sociais e conquistou milhares de seguidores.

Recomendadíssimo para quem trabalha ou deseja trabalhar com produção de conteúdo na web.

2 – Sobre a escrita, Stephen King

Eleito pela Time como um dos 100 melhores livros de não ficção de todos os tempos e vencedor de diversos prêmios internacionais, Sobre a escrita é uma obra extraordinária de um dos autores mais bem-sucedidos de todos os tempos. Uma verdadeira aula sobre a arte de escrever.

3 – A jornada do escritor, Christopher Vogler

Em A jornada do escritor, Christopher Vogler faz uma detalhada e esclarecedora análise desse conceito, tomando como base diversos filmes importantes. Resultado de anos de estudo sobre mitos e arquétipos, somados à experiência de Vogler na indústria cinematográfica norte-americana, esta edição, revisada pelo autor, é uma obra de referência fundamental não apenas para quem deseja escrever boas histórias, como para quem quer entendê-las melhor, relacionando-as à própria vida.

4 – Cartas a um jovem escritor e suas respostas, Fernando Sabino

Fernando Sabino era fã de Mário de Andrade. Certo dia, resolveu escrever uma carta para ele pedindo conselhos. Para sua surpresa, Mário o respondeu. Durante anos trocaram correspondências e o Papa do Modernismo tornou-se mentor de Fernando Sabino. As cartas, bem como as respostas de Mário de Andrade, estão documentadas em Cartas a um jovem escritor e suas respostas.

5 – Storytelling, Carmine Gallo

Repleto de histórias reais, Storytelling transformará você em um contador de histórias. Neste livro, você aprenderá a usar o storytelling para “acender a chama interna das pessoas, simplificar as coisas, educar, motivar e mobilizar”.

6 – Crônicas, Rubem Braga

O box Crônicas reúne os melhores trabalhos de Rubem Braga, considerado um dos maiores cronistas brasileiros de todos os tempos.

7 – O melhor de Nelson Rodrigues, Nelson Rodrigues

Assim como na sugestão acima, este box também é a reunião dos melhores trabalhos de um dos maiores cronistas brasileiros de todos os tempos. Neste caso, o “Anjo Pornográfico”, alcunha do grande Nelson Rodrigues.

8 – O óbvio ululante, Nelson Rodrigues

A obra favorita do Murillo. O óbvio ululante traz uma seleção feita pelo próprio Nelson Rodrigues das “Confissões” que ele publicava em O Globo entre dezembro de 1967 e junho de 1968. Nessa coluna, além de deixar entrever parte de sua vida, analisava personagens de sua época, as mudanças de comportamento e os debates políticos pelos quais passava o país.

9 – Todas as crônicas, Clarice Lispector

Possivelmente a autora mais citada nas redes sociais, Clarice Lispector vai muito além dos textões do Facebook muitas vezes atribuídos de forma errônea à ela. Todas as crônicas é uma oportunidade excelente para você conhecer a obra de uma das maiores escritoras brasileiras de todos os tempos.

10 – A última madrugada, J.P. Cuenca

Meu escritor brasileiro contemporâneo favorito e mentor, J.P. Cuenca já teve seus livros traduzidos para oito idiomas e os direitos de suas obras foram comprados por onze países. O livro A última madrugada é uma coletânea com as melhores crônicas publicadas pelo carioca em grandes jornais de circulação nacional.

11 – Uma estranha na cidade, Carol Bensimon

Vencedora do Prêmio Jabuti em 2018 com o romance O clube dos jardineiros da fumaça, em Uma estranha na cidade podemos conhecer o olhar único da gaúcha Carol Bensimon através de suas crônicas publicadas em grandes jornais.

12 – Trinta e poucos, Antonio Prata

Mais que qualquer escritor em atividade, Antonio Prata é sinônimo da crônica, gênero consagrado por gigantes como Rubem Braga, Paulo Mendes Campos, Fernando Sabino e Nelson Rodrigues. Em Trinta e poucos temos uma coletânea com os seus melhores textos.

13 – A descoberta da escrita, Karl Ove Knausgård

O autor norueguês que virou um popstar da literatura –– e que recentemente esteve na FLIP –– é um dos meus autores contemporâneos favoritos. Em A descoberta da escrita ele narra, de jeito único, seus dias na tentativa de se tornar um escritor. O livro é o quarto volume da prestigiada série Minha luta, mas você pode lê-lo sem ter lido os anteriores.

Ainda sente que precisa de um norte e feedbacks? Tenha bons mentores

Na metade desse artigo falo que eu e Murillo Leal desenvolvemos um projeto para ajudar aspirantes à escritores. Pois bem, o programa de Mentoria de Escrita Criativa e Storytelling tem o objetivo de auxiliar profissionais a transformarem suas emoções e experiências em textos criativos que entregam valor e engajam a audiência.

Tudo aqui é orgânico. Não ensinaremos fórmulas mágicas. A ideia é garantir algumas horas de foco estrito sobre seu processo criativo –– o que escrever, como escrever e sobre o que escrever.

Ao final do programa você será capaz de constituir um mundo à parte dos clichês e receitas de bolo do storytelling atual. Queremos que você encontre sua própria voz em um mundo onde tudo parece uma cópia.

Para conferir as informações, basta acessar este link. Atenderemos três escritores por mês e há um processo seletivo para que possamos preencher essas vagas. Essa triagem é necessária porque as vagas são limitadas e precisamos ter a certeza de que nossa mentoria fará sentido para a realidade de cada mentorando(a).

Artigos relacionados:

Nômade digital que escreve, empreende e ensina. Eleito pelo LinkedIn como o terceiro brasileiro mais influente da rede em 2016. Cofundador do be freela. Você também pode ler meus conteúdos no HuffPost, no Transformação Digital, Comunidade Rock Content e no Medium.