Considere o seguinte: em poucos anos a enciclopédia open source (código aberto) chamada Wikipedia tornou as enciclopédias de código fechado obsoletas – seja qual for o formato: livro, CD-ROM ou online do tipo comercial. Adeus, Barsa.

Claro, ainda existem esses tipos de empresas, porém, a base de clientes está diminuindo consideravelmente à medida que mais e mais pessoas ao redor do globo aderem a plataformas como a Wikipedia – gratuita, fácil de usar e atualizada em tempo real.

Esse é apenas um exemplo simples de como o movimento de código aberto vem mudando nossas vidas. Ao longo dos próximos dez anos ou mais veremos muitos mais exemplos e os efeitos poderão mudar quase todos os aspectos do nosso cotidiano.

Você já ouviu falar do Linux? Este sistema operacional de código aberto ajudou a popularizar a prática e cresceu exponencialmente na última década, mas ainda há um longo caminho a ser trilhado antes que possa desafiar Apple ou Microsoft. Mesmo assim, mostrou-se uma alternativa viável em comparação aos gigantes do setor.

Agora considere isto: o conceito de código aberto pode aplicar-se a qualquer coisa na vida, qualquer área onde a informação está atualmente nas mãos de poucos, qualquer área onde algumas pessoas controlam a produção e distribuição de um serviço ou produto.

Os próximos exemplos soarão idealistas, mas são possibilidades que podem se transformar em probabilidades nos próximos anos. Só o tempo dirá, mas vale a pena pensar.

Escolas. Homeschooling, por exemplo, é um movimento crescente que permite aos pais recuperarem o controle da educação de seus filhos, os afastando de um ambiente autoritário de controle da mente para um de aprendizagem, de questionamento, de pensamento crítico – e isso é realmente o que a educação deve ser . Por favor, entenda que eu não estou culpando os professores – eles são boas pessoas com boas intenções, mas são obrigados a seguir o sistema escolar controlado pelo nosso governo. O conceito de código aberto pode ser aplicado ao ensino superior: imagine uma escola online para programadores ou contadores ou empresários, em que os verdadeiros profissionais decidem o currículo, dão as aulas e certificam os alunos. Se esta alternativa crescer em aceitação (e isso vai levar um longo tempo para acontecer), não há nenhuma razão para que uma graduação em Harvard seja considerada melhor do que um curso de código aberto.

Entretenimento. Música, cinema, televisão, literatura e revistas possuem código fechado – com a produção e distribuição dessas fontes de entretenimento controladas por poucos. Apenas um pequeno número de pessoas lançam álbuns, filmes ou livros, embora existam muitas outras pessoas talentosas lá fora. Há um número limitado de canais através dos quais eles podem ser distribuídos. Mas considere uma alternativa de código aberto, onde as pessoas colaboram em música e a liberam para o público através da internet. Isso já está acontecendo com as indústrias de livros e revistas, com as pessoas distribuindo e-books gratuitos ou escrevendo em blogs. Não há nenhuma razão para tal colaboração e distribuição gratuita não acontecer com outras formas de entretenimento, mesmo que a produção seja um pouco mais difícil ou cara.

Dinheiro. O que é o dinheiro? É um sistema de código fechado que diz que em troca do seu produto ou serviço, lhe darei um voucher que poderá ser usado em outros lugares para obter novos produtos ou serviços (ou no que você quiser usar o seu voucher). Uma alternativa de código aberto poderia ser criada e, a partir do momento em que as pessoas confiarem no sistema, não haverá nenhuma razão para o dinheiro ser controlado por governos.

Internet. A maior parte dos produtos ou serviços na internet agora possuem código fechado, incluindo Google, Microsoft e Yahoo. Isso provavelmente irá mudar à medida que as pessoas começarem a desenvolver alternativas de código aberto para estas ferramentas. Já existem algumas por aí, como wiki de dicionários online, diretórios da internet, e assim por diante.

Design. Some softwares como AutoCAD, Sketchup e Revit com máquinas a laser CNC e impressoras 3D. O design e a fabricação de móveis personalizados é uma das grandes tendências do código aberto. No exterior, já existe algum movimento através da iniciativa do Open Desk. No Brasil, isso é realidade através do Projeto CR.U.SH. Através do site são apresentados diversos projetos de móveis que podem ser executados e melhorados por quem tiver interesse, sem custo algum. Você pode simplesmente fazer o download dos arquivos e executar em algum local de sua preferência ou até mesmo pode comercializar o produto. Os móveis disponíveis no site atualmente são, em maioria, direcionados para a fabricação usando CNC e, montados através de sistemas de encaixe – possuem inclusive vídeos explicativos sobre a montagem dos móveis. Existem várias maneiras de participar e tornar-se um “crusher”. Você pode contribuir com o design de algum móvel na íntegra ou melhorando algum existente, pode também fabricar os móveis do site e assim quem estiver interessado poderá comprar diretamente de você.

Projeto CR.U

Na página do site está tudo muito bem explicado, vale a pena conferir e quem sabe contribuir com algo, nem que seja na divulgação. Uma campanha de financiamento coletivo foi criada para o lançamento da Poltrona Gira Mundo. Saca só do que se trata!

27 anos, catarinense, escritor, empreendedor, growth hacker, guitarrista frustrado, marido da Laís. Eleito pelo LinkedIn como o terceiro brasileiro mais influente da rede em 2016. Sócio do Crush Design — uma das 100 startups mais inovadoras do estado de Santa Catarina.

  • Estar aberto. Esse é o código

  • É incrível o modo como o código aberto pode libertar, até mesmo democratizar as coisas, ao menos na Internet. E, olhando a esse modo, é possível “abrir” tudo. O problema para o open source dominar o mundo é que muita gente trabalha com, por exemplo, venda de livro, de música, de filme; então entra no quesito dinheiro que você falou, é como lutar sozinho contra um gigante. É fácil de acertar, mas difícil de vencer.

  • Muito bom !